Centro de Prospecção de fungos e engenharia de enzimas

Compartilhe
Centro de Prospecção de fungos e engenharia de enzimas
Além da sacarose, a cana tem outros 2/3 de biomassa que pode ser utilizado na produção de bioenergia. Ainda que a produção de bioeletricidade seja possível e viável atualmente, sua eficiência seria incomparável a processos realmente eficientes em hidrolisar a parede celular para fermentação dos açúcares e produção de bioetanol. Soma-se a isso o fato de que o etanol é um combustível líquido e transportável, tendo um mercado mais flexível atualmente. Para atingir o objetivo de produzir etanol celulósico 3 caminhos podem ser utilizados: 1) hidrolise de biomassa com ácidos; 2) hidrolise de biomassa usando os próprios mecanismos bioquímicos e celulares da própria planta; 3) hidrólise da biomassa usando enzimas de microorganismos. A hidrólise ácida, conforme temos ouvido em apresentações da empresa piracicabana Dedini, se tornará viável em cerca de 2 anos. Eles já teriam um processo em escala piloto, mas comunicam que ainda há problemas com a viabilidade econômica do processo desenvolvido. A hidrólise de biomassa por microorganismos é uma possibilidade bastante atraente e possivelmente de alta eficiência na hidrólise de biomassa, principalmente se associada com os processos de hidrólise ácida e os realizados in planta. Como o Brasil é um dos países de megadiversidade em nível mundial, o estoque de genes em microorganismos, capazes de produzir enzimas que ataquem a parede celular, é enorme. Uma das metas principais do Centro de Prospecção de Fungos é encontrar novas espécies e testar a ação de coquetéis enzimáticos e enzimas isoladas sobre a parede celular ou seus polissacarídeos isolados. Um outro ponto focal importante será o melhoramento dessas enzimas, usando técnicas de biologia molecular para inclusive produzir enzimas multifuncionais, que seriam reconstruídas para ação enzimática ainda mais eficiente. Nesse centro, haverá também um conjunto de estudos sobre o modo de ação das enzimas sobre os polissacarídeos, já que uma série de problemas advêm de processos de inibição da atividade pelo próprios produtos da reação. A interação com outros centros ocorrerá através do fornecimento de materiais para substrato da ação enzimática, provenientes dos Centros de Fisiologia e Melhoramento. Haverá também interação importante quando as primeiras plantas transformadas para facilitar a hidrólise forem produzidas pela interação entre os Centros de Fisiologia e de Expressão Gênica e Transformação, pois aí testaremos a hipótese de que as estratégias combinadas (hidrólise in planta e por fungos) podem ser mais eficientes do que quando isoladas
Apoio